Fora do silêncio, um som estridente e uma oscilação repentina me acordam de uma forma pouco convidativa – o trem está chegando à sua próxima estação. Estou a caminho de Munique, onde será revelado o novo Indian Scout, a segunda iteração do modelo que reviveu a lenda há muito desaparecida. 

A minha falta de sono remonta a outra máquina da marca americana, a Indian Scout 1928 de 101 de um amigo, na qual temos trabalhado nestes últimos dias (Bernhard Elflein, Herzbube Motorcycles, Renascimento da máquina: Indian Scout 101 de Herzbube | Bicicleta EXIF). Ele tem o 101 há muito tempo, um daqueles projetos perfeitos e difíceis de terminar. Passamos longas horas devolvendo a vida ao velho Scout, a antecipação perfeita para ver o novo ícone, quase um século depois de seu antepassado ter sido trazido à vida pela primeira vez. A dor da meia-noite prova ser uma ótima metáfora para descrever o caráter que se poderia associar ao índio: uma atitude inquieta, motivada e dissidente. E estou prestes a descobrir o que foi feito com isso.

Foto de : Olivier Groot

Conhecer outros atendentes na minha chegada já dá uma pequena prévia do que poderia ser esperado: atores, pilotos… uma grande variedade de origens com uma marca de motocicleta como ponto de contato. Incomum, dada a homogeneidade que as marcas tendem a gerar. Mas nada nesta revelação parece comum. O local escolhido para a ocasião: Motorworld Munique, a meca automotiva da cidade alemã, um enorme local de eventos repleto das máquinas mais raras e impressionantes da história recente. 

Foto de : Olivier Groot

Logo após entrarmos na sala onde acontecerá a revelação, notamos as silhuetas cobertas das bicicletas que viemos ver, estacionadas na lateral. No centro, outra beleza dos primeiros anos da Índia, desta vez cortesia do Indian Motocycle Club Germany. Você leu certo, Motocycle, sem o r, conforme lido nas bicicletas originais. Os indianos têm percorrido essa rota desde o início, quando as tentativas de registrar o nome completo levaram a contornar as regulamentações, deixando uma letra fora da equação. Senhores inteligentes. Christoph – zelador da velha máquina acima – também tinha muitas outras histórias para compartilhar. Parece que você pode conhecer as pessoas mais legais em uma Honda, mas aqueles com as melhores histórias andam em um índio.

Foto de : Olivier Groot

Depois de aquecer o ambiente, os responsáveis ​​pelo lançamento sobem ao stand para apresentar a marca e o homem que lidera a sua renovação, Ola Stenegärd, que orienta o público na criação da mais recente máquina, de uma forma muito apreciada por quem tem experiência em design ou construção de motocicletas. Nas palavras de Ola, a equipe se concentrou na estética atemporal, concentrando-se em tornar as coisas simples e limpas, sempre mantendo a personalização em mente. A inspiração? A cena do hot rod com carros lendários como Zephyrs e as linhas inconfundíveis dos índios originais. O design do novo Scout foi pensado em todas as camadas, dando atenção que se percebe em cada leitura: de longe, de perto ou nos mínimos detalhes, nas palavras dos designers.

Foto de : Olivier Groot

Toda a expectativa faz com que as tampas sejam finalmente removidas, revelando cinco modelos baseados na nova Scout: a Scout Classic, a Scout Bobber, a Sport Scout, a Super Scout e a 101 Scout (uma homenagem à 101 original, considerada a melhor motocicleta indiana de todos os tempos). feito). Todas as cinco compartilham o mesmo design de quadro tubular que limpou a sensação excessivamente pesada e fundida do modelo anterior, um design que favorece uma conexão com o Scout vintage e o Chief atual. Ele agora apresenta um radiador menor entre os tubos inferiores, amortecedores traseiros perfeitamente integrados e aquela linha clássica do tubo inferior indiano. Recursos como amortecedores, pára-lamas, assentos e rodas variam em toda a linha, assim como o acabamento final que o cliente pode escolher.   

O novo motor – chamado de Speedplus – foi completamente redesenhado, passou para 1.250 cc e agora produz entre 105 e 111 cavalos de potência a 7.250 rpm, com 108 Nm de torque a 6.300 rpm um pouco mais baixas. Muitos sentirão falta das tampas usinadas do motor que contribuíram para a aparência industrial da primeira Scout moderna, mas há uma suavidade geral que a moto tem em suas linhas, ângulos e detalhes que parece coerente e pensada. Uma aparência totalmente limpa. Claro, não estamos mais na década de 1930 e nenhum fabricante oferecerá um sistema de escapamento que não pareça pertencer ao tanque de combustível de um foguete multiplanetário, mas considerando tudo, o trabalho realizado é mais do que aceitável.

Fazer uma bicicleta parecer com aquelas construídas há 90 anos só vai até certo ponto, e também perder-se em termos venenosos como herança. Colocar um pouco de cromo em tudo não vai melhorar nada, nem fazer como se não tivesse passado uma única década, e acho que os indianos conseguiram criar uma máquina moderna que sabe a que lugar pertence, sem esquecer de onde vem. Eles colocaram as mãos no fogo e tiraram um pedaço do fogo. Julguem por si mesmos.

Confira nossas impressões sobre o novo Lançamento do Escoteiro Indiano no YouTube!

By Publicado em: 18 de abril de 2024Categorias: Artigos, Noticias gerais, Bicicletas novas0 Comentários no novo Indian Scout revelado!Tags: , , , 4.7 min readVisualizações: 99

Compartilhar esta história, Escolha a sua plataforma!

Sobre o autor: Paulo Alberto

Deixe um comentário

Tags

Fora do silêncio, um som estridente e uma oscilação repentina me acordam de uma forma pouco convidativa – o trem está chegando à sua próxima estação. Estou a caminho de Munique, onde será revelado o novo Indian Scout, a segunda iteração do modelo que reviveu a lenda há muito desaparecida. 

A minha falta de sono remonta a outra máquina da marca americana, a Indian Scout 1928 de 101 de um amigo, na qual temos trabalhado nestes últimos dias (Bernhard Elflein, Herzbube Motorcycles, Renascimento da máquina: Indian Scout 101 de Herzbube | Bicicleta EXIF). Ele tem o 101 há muito tempo, um daqueles projetos perfeitos e difíceis de terminar. Passamos longas horas devolvendo a vida ao velho Scout, a antecipação perfeita para ver o novo ícone, quase um século depois de seu antepassado ter sido trazido à vida pela primeira vez. A dor da meia-noite prova ser uma ótima metáfora para descrever o caráter que se poderia associar ao índio: uma atitude inquieta, motivada e dissidente. E estou prestes a descobrir o que foi feito com isso.

Foto de : Olivier Groot

Conhecer outros atendentes na minha chegada já dá uma pequena prévia do que poderia ser esperado: atores, pilotos… uma grande variedade de origens com uma marca de motocicleta como ponto de contato. Incomum, dada a homogeneidade que as marcas tendem a gerar. Mas nada nesta revelação parece comum. O local escolhido para a ocasião: Motorworld Munique, a meca automotiva da cidade alemã, um enorme local de eventos repleto das máquinas mais raras e impressionantes da história recente. 

Foto de : Olivier Groot

Logo após entrarmos na sala onde acontecerá a revelação, notamos as silhuetas cobertas das bicicletas que viemos ver, estacionadas na lateral. No centro, outra beleza dos primeiros anos da Índia, desta vez cortesia do Indian Motocycle Club Germany. Você leu certo, Motocycle, sem o r, conforme lido nas bicicletas originais. Os indianos têm percorrido essa rota desde o início, quando as tentativas de registrar o nome completo levaram a contornar as regulamentações, deixando uma letra fora da equação. Senhores inteligentes. Christoph – zelador da velha máquina acima – também tinha muitas outras histórias para compartilhar. Parece que você pode conhecer as pessoas mais legais em uma Honda, mas aqueles com as melhores histórias andam em um índio.

Foto de : Olivier Groot

Depois de aquecer o ambiente, os responsáveis ​​pelo lançamento sobem ao stand para apresentar a marca e o homem que lidera a sua renovação, Ola Stenegärd, que orienta o público na criação da mais recente máquina, de uma forma muito apreciada por quem tem experiência em design ou construção de motocicletas. Nas palavras de Ola, a equipe se concentrou na estética atemporal, concentrando-se em tornar as coisas simples e limpas, sempre mantendo a personalização em mente. A inspiração? A cena do hot rod com carros lendários como Zephyrs e as linhas inconfundíveis dos índios originais. O design do novo Scout foi pensado em todas as camadas, dando atenção que se percebe em cada leitura: de longe, de perto ou nos mínimos detalhes, nas palavras dos designers.

Foto de : Olivier Groot

Toda a expectativa faz com que as tampas sejam finalmente removidas, revelando cinco modelos baseados na nova Scout: a Scout Classic, a Scout Bobber, a Sport Scout, a Super Scout e a 101 Scout (uma homenagem à 101 original, considerada a melhor motocicleta indiana de todos os tempos). feito). Todas as cinco compartilham o mesmo design de quadro tubular que limpou a sensação excessivamente pesada e fundida do modelo anterior, um design que favorece uma conexão com o Scout vintage e o Chief atual. Ele agora apresenta um radiador menor entre os tubos inferiores, amortecedores traseiros perfeitamente integrados e aquela linha clássica do tubo inferior indiano. Recursos como amortecedores, pára-lamas, assentos e rodas variam em toda a linha, assim como o acabamento final que o cliente pode escolher.   

O novo motor – chamado de Speedplus – foi completamente redesenhado, passou para 1.250 cc e agora produz entre 105 e 111 cavalos de potência a 7.250 rpm, com 108 Nm de torque a 6.300 rpm um pouco mais baixas. Muitos sentirão falta das tampas usinadas do motor que contribuíram para a aparência industrial da primeira Scout moderna, mas há uma suavidade geral que a moto tem em suas linhas, ângulos e detalhes que parece coerente e pensada. Uma aparência totalmente limpa. Claro, não estamos mais na década de 1930 e nenhum fabricante oferecerá um sistema de escapamento que não pareça pertencer ao tanque de combustível de um foguete multiplanetário, mas considerando tudo, o trabalho realizado é mais do que aceitável.

Fazer uma bicicleta parecer com aquelas construídas há 90 anos só vai até certo ponto, e também perder-se em termos venenosos como herança. Colocar um pouco de cromo em tudo não vai melhorar nada, nem fazer como se não tivesse passado uma única década, e acho que os indianos conseguiram criar uma máquina moderna que sabe a que lugar pertence, sem esquecer de onde vem. Eles colocaram as mãos no fogo e tiraram um pedaço do fogo. Julguem por si mesmos.

Confira nossas impressões sobre o novo Lançamento do Escoteiro Indiano no YouTube!

By Publicado em: 18 de abril de 2024Categorias: Artigos, Noticias gerais, Bicicletas novas0 Comentários no novo Indian Scout revelado!Tags: , , , 4.7 min readVisualizações: 99

Compartilhar esta história, Escolha a sua plataforma!

Sobre o autor: Paulo Alberto

Deixe um comentário

Tags